• Rua Vereador Virgilio, 38
  • (43) 3526-1302
  • contato@camarasantana.pr.gov.br
História Santana do Itararé
Você está aqui: Home \ História Santana do Itararé

HISTÓRIA DO MUNICÍPIO


Santana - Palavra formada pelos termos "santa" e "Ana". O termo "santa" é feminino de "santo", termo que se origina do latim "sanctus", mulher canonizada, virtuosa, digna de veneração, a que vive conforme os preceitos da lei divina, segundo a tradição judaico-cristã. O termo "Ana" vem do hebraico "hannah"... graciosa e no latim ficou "ama"... ele (Deus) favoreceu-me. Segundo os evangelhos apócrifos, Ana seria muito idosa para ter filhos, mas um anjo veio contradizer a natureza e desta forma nasceu a Virgem Maria, Mãe de Deus. A igreja canonizou Santa Ana no século VI.

Itararé - Origina-se do tupi "i'ta"... pedra + "ra'ré"... escavada, oca: lapa cavada pelas águas, conduto subterrâneo, sumidouro, pedra que o rio cavou.

Origem Histórica


A ocupação da região onde hoje existe o Município de Santana do Itararé data de 1842, porém as terras onde hoje é o Município de Santana do Itararé data de 1854, quando a família Barbosa, vinda de Minas Gerais, construiu uma capela em uma área de 80 alqueires que posteriormente fora doada à Igreja Católica, em louvor à Santa Anna. Com o passar dos anos, os imigrantes continuaram a chegar na região e a instalar-se aos arredores da Capela. No ano de 1856 nasceu o povoado denominado de Nossa Senhora Sant'Anna do Passo dos Barbosas. Com o passar do tempo os moradores passaram a chamar o povoado de Passo dos Barbosas, e mais tarde simplesmente Barbosa.

No ano de 1880 eleva-se a Comarca o município de São José do Cristianismo, e este fica com domínio político e jurídico sobre Barbosa, que anteriormente pertencia a Comarca de Castro. No ano de 1891, o povoado é elevado a categoria de Distrito de São José do Cristianismo e reconhecido em 1893, quando é criado o Cartório do Registro Civil e de Imóveis. Neste período o distrito já aparece com o nome de Santana do Itararé, porém não existem registros de quem partiu a idéia da troca do nome.

Em 1920 a divisão territorial ordenada pelo governador do estado, oficializa o distrito de Santana do Itararé como parte do município de Santana do Itararé.

Um dos fatores do atraso no desenvolvimento municipal é atribuído ao Coronel Lico Pereira, um importante chefe local, que não permitiu a passagem da estrada de ferro pelo Município, alegando que a mesma traria doenças, prostitutas e ladrões à região. Diante disso, em 1917, o novo traçado da estrada de ferro foi desviado para o então Município de Patrimônio de Novo Horizonte, que posteriormente recebeu o nome de Brazópolis e depois de Wenceslau Braz, como homenagem ao desenvolvimento da região.

Em 1935, o distrito de Brazópolis é elevado à categoria de município e a sede da comarca é transferida de Santana do Itararé para o novo município que chamou-se Wenceslau Braz e que agora tinha o controle de Santana do Itararé e de Santana do Itararé, uma vez que este último havia perdido o título de município.

No dia 25 de janeiro de 1961 o Governador Moisés Lupion aprova a Lei Estadual N. 4.338/61 do Deputado Joaquim Néa de Oliveira e cria o Município de Santana do Itararé, desmembrado de Wenceslau Braz. A publicação acontece no Diário Oficial N. 274 de 07 de fevereiro de 1961, e sua instalação ocorreu em 22 de outubro de 1961, quando foi empossado o primeiro prefeito eleito, José de Oliveira (1961-1965). Na sequência foram eleitos para Prefeito: José Francisco Vidal (1965-1970); Antonio de Oliveira(1970-1973); Djalma Barbosa Lemes (1973-1977); Venerando Francelino da Silva (1977-1982); José Pereira Neto(1983-1988); Messias de Souza (1989-1992); Sebastião Teodoro de Azevedo (1993-1996); Mario Nelson Coppola (1997-31/07/2000); José Clemente de Azevedo (31/07/2000-31/12/2000); Jorge Vidal da Silva(2001-2004); Elcio José Vidal (2005-2008); José de Jesus Isac (2009-2012)

Fontes: (1) João Carlos Vicente Ferreira - Municípios Paranaenses: Origens e significados de seus nomes (2) PMSI, 2010

Clique aqui! E leia mais sobre o nosso município no Wikipédia®